terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Racismo cordial: qual é a sua cor predileta?

Félix Maier

24/11/2006

Não devemos cair na tentação de criar bantustões em nosso País, como ocorria na África do Sul do Apartheid, ao conceder direitos especiais para certos "guetos", sejam eles de negros, mulheres ou índios.


“O brasileiro não evita, mas tem vergonha de ter preconceito” (Florestan Fernandes, 1920-1995).

Em todo dia 20 de novembro, comemora-se o Dia da Consciência Negra, uma homenagem a Zumbi dos Palmares, morto há 311 anos. Palmares foi uma confederação de quilombos, ativa de 1630 a 1694, na região hoje ocupada pelo Estado de Alagoas.

Em 1995, a Folha de S. Paulo e o Instituto de Pesquisas Datafolha realizaram “a maior e mais ampla investigação científico-jornalística sobre preconceito de cor no Brasil”. O trabalho foi impresso pela Editora Ática, com o título “Racismo Cordial – A mais completa análise sobre preconceito de cor no Brasil”, São Paulo, 1995. Como nestes últimos 11 anos pouca coisa mudou a respeito, é interessante relembrar alguns dos tópicos abordados pela pesquisa de então.

“Três números básicos sintetizam um pouco esse extenso trabalho, agora publicado neste livro: 1) apesar de 89% dos brasileiros dizerem haver preconceito de cor contra negros no Brasil, 2) só 10% admitem ter um pouco de preconceito, mas, 3) de forma indireta, 87% revelam algum preconceito, ao pronunciar ou concordar com enunciados preconceituosos, ou ao admitir comportamentos de conteúdo racista em relação aos negros” (pg. 11).

Foram escolhidas 12 perguntas, listadas abaixo, feitas pelo pesquisador do Datafolha aos entrevistados:

“Eu vou dizer algumas coisas que as pessoas costumam falar e gostaria que você dissesse se concorda ou discorda de cada uma, totalmente ou em parte:

1) “negro bom é negro de alma branca”;

2) “uma coisa boa do povo brasileiro é a mistura de raças”;

3) “as únicas coisas que os negros sabem fazer bem são música e esportes”;

4) “toda raça tem gente boa e gente ruim, isso não depende da cor da pele”;

5) “negro, quando não faz besteira na entrada, faz na saída”;

6) “se pudessem comer bem e estudar, os negros teriam sucesso em qualquer profissão”;

7) “se Deus fez raças diferentes, é para que elas não se misturem”;

8) Alguns estudos recentes afirmam que, por natureza, brancos e negros são diferentes em relação ao nível de inteligência. Na sua opinião, existem diferenças de inteligência entre brancos e negros? Se sim, de um modo geral, quem são mais inteligentes, os brancos ou os negros?

9) Você votaria ou já votou alguma vez em um político negro?

10) Se no seu trabalho você tivesse um chefe negro, você não se importaria; ficaria contrariado, mas procuraria aceitar; ou não aceitaria e mudaria de trabalho?

11) Se várias famílias negras fossem morar na sua vizinhança, você não se importaria; ficaria contrariado, mas procuraria aceitar; ou não aceitaria e mudaria de casa?

12) E se um filho ou uma filha sua se casasse com uma pessoa negra, você não se importaria; ficaria contrariado, mas procuraria aceitar; ou não aceitaria o casamento?” (Cfr. pg. 13-14).

Leia o texto completo em Mídia Sem Máscara.