quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Em busca da bolsa-cocaína

Félix Maier

29/06/2007

No endereço http://www.mj.gov.br/noticias/2007/junho/RLS26062007ongs.htm, descobre-se o mais novo ovo de Colombo do governo Lula:

“MJ e ONGs discutem Programa de Segurança Pública Brasília, 26/06/2007, 17h02 (MJ) - O Ministério da Justiça reunirá nesta quarta-feira (27), em Brasília, representantes de organizações não-governamentais para detalhar os principais pontos do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci), apresentado ao presidente Lula no último dia 31 de maio. O programa tem como eixo principal a integração de políticas de segurança pública com ações sociais nas 11 regiões brasileiras com maiores índices de criminalidade.

Relação de ONGs convidadas:

Movimento Viva Rio, Instituto Sou da Paz, Disque-denúncia, Centro de Assessoramento a Programas de Educação para a Cidadania (CAPEC), Instituto de Defesa dos Direitos Humanos (IDDEHA), Afroreggae, Central Única das Favelas (Cufa), Observatório das favelas, Movimento Nós do Morro, Instituto Ethos, Associação de Parentes e Amigos de Vítimas de Violência (APAVV), Justiça Global, Rede Desarma Brasil, Espaço Público Saudável e Dimensão do Diálogo, Movimento Amigos da Paz, União Planetária, Iniciativa das Religiões Unidas (URI), Projeto Axé Bahia, Terra de Direitos, GLBTS, Associação de Difusão do Evangelho e Promoção Humana, Sociedade Beneficente Mães Pobres de Novo Hamburgo e ABGLT”.


Mais uma vez, o ministério da injustiça convoca a dita “sociedade civil” para discutir a Segurança Pública. (Chamo o ministério de “injustiça” porque, através da famigerada Comissão de Anistia, promoveu a coronel o assassino, desertor e ladrão de armas do Exército, carlos lamarca, além de conceder gorda indenização aos familiares do facínora.) Ou seja, o governo convoca ONGs que não entendem nada do assunto, mas que recebem periodicamente um belo jabaculê do governo nacional (o Brasil não tem governo federal, mas nacional, como o do fascismo), e propaga mais uma vez na mídia que está discutindo seriamente a Segurança Pública.

De acordo com o relatório da ONU publicado no início desta semana, aumentou muito o consumo de drogas no Brasil. Enquanto a média mundial de consumidores da cocaína é de 0,3%, no Brasil o consumo é mais do que o dobro: 0,7% (Cfr. http://www.onu-brasil.org.br/). O Brasil já exporta mais cocaína para a Europa do que a Colômbia!

Infelizmente, o consumo de drogas vai aumentar muito mais ainda no Brasil, por conta da recente lei petista que descriminalizou o consumo de drogas. Ora, quem financia o tráfico de drogas é o consumidor, ninguém mais. Se não houvesse consumidor, não haveria comércio de droga. Assim, “nunca antes neste país” se fez tanto esforço para aumentar drasticamente o consumo de drogas.

Lula, com a infeliz idéia do “liberou geral”, está transformando o Brasil em um país de drogados. Já que fez a besteira de incentivar o consumo da droga (menos lei e menos polícia = mais consumo de drogas, óbvio!), Lula pelo menos deveria ser coerente consigo mesmo e conceder bolsa-maconha e bolsa-cocaína aos drogados. Quem incentiva a procura, deve obrigatoriamente promover a oferta.

A maconha poderia ser plantada nos assentamentos do MST. Para começar, numa fazenda experimental poderiam ser plantados os grãos de maconha geneticamente modificados que Fernando Gabeira importou anos atrás, dando como endereço de entrega seu local de trabalho, o sempre glorioso e ético Congresso Nacional. Aposto que poucos assentados do messetê continuariam suas passeatas de vagabundagem pelo País, já que plantar a cannabis é lucro certo, pois, pela lei atual, todo mundo pode carregar um “baseado” ou uma trouxinha de cocaína no bolso sem ser importunado pela polícia.

A cocaína, por sua vez, poderia ser fabricada em plantas industriais situadas ao longo das fronteiras com o Peru e a Bolívia, que forneceriam a pasta básica de coca. Precursores químicos nós temos à vontade. O produto para exportação seria embarcado nos Airbus e Boeings pousados em Corumbá e Ponta Porã, com destino direto para a Europa, o Japão e os EUA. Em poucos anos, Lula poderia comemorar mais esse feito histórico, de aumento estratosférico das exportações. Tanto o plantio de maconha quanto a produção de cocaína seriam financiados pelo BNDES, com apoio técnico da Embrapa, da USP e da Unicamp. Em sociedade com o Comando Vermelho e o PCC.

Quanto aos drogados que participam das passeatas de ONGs como Morra Rio e Sou da Páish, as roupas branco-cocaína que vestem dizem tudo: “Queremosh páish nosh morrosh, deshde que não faltem minha cocaína e minha maconha depoish do jantar”...

Segurança Pública com cidadania é Pronasci: descansar à noite fumando maconha ou usando um canudinho gayato para cheirar cocaína...

Obs.: Texto originalmente publicado no Mídia Sem Máscara (29/06/2007).